Shape of the World

por Ana Cruz

Mais que um jogo, uma obra de arte!

O que um jogo precisa para ser chamado de obra de arte? Ser longo? Gráficos detalhados ao máximo? Explosões? Cenas cinematográficas? Nem sempre, pois Shape of the World é exatamente o que chamamos de artístico. As cores, formas, desenhos, tudo compõe um game que te fará relaxar enquanto admira a beleza dos cenários e da trilha sonora.

A Hollow Tree Games teve um plano muito específico em mente: fazer um jogo usando o que há de mais bonito nas formas e cores, com um cenário que mudasse durante a caminhada do jogador. Uma verdadeira obra de arte em formato de game, que foi lançada para Xbox One, PS4 e PC graçar a uma campanha bem-sucedida no Kickstarter

O jogo é de exploração em primeira pessoa, dando um mistério total sobre quem controlamos. No início, você pode sentir uma pequena confusão e ter a sensação de andar em círculos. Tudo o que há em volta são criaturas, algumas dóceis, outras que te empurram, além de natureza, com matagais, rios e cachoeiras que, por sinal, são maravilhosas no cenário noturno. 

Shape of the World é uma obra de arte em forma de game, perfeita para quem quer relaxar e fugir do frenesi dos jogos de ação.

Quem jogou Shape of the World provavelmente associou seu estilo de “enredo” a Journey, onde você é um ser que precisa chegar ao pico da montanha. Entretanto, alerto que essa é a única semelhança, a começar pelo mapa que, aqui, é em formato de pirâmide.

Para avançar no jogo, basta achar os arcos e passar por eles. Fazendo isso, mudamos de cenário, com a paleta de cores diferenciando cada um deles. As fases são todas coloridas, mas sempre seguindo uma linha. Nos locais com neve, as cores são mais frias, variando entre tons de branco, cinza e azul claro. As florestas poderão ter tons de verde ou marrom, enquanto os desertos aparecem com cores quentes e fortes. Não precisa torcer o nariz por causa do estilo 2D, tudo é tão bem feito que, se fosse em 3D, poderia ter perdido o charme e a beleza.

Se explorar cada pedaço do mapa, você poderá achar pequenos fragmentos de frutas, flores e plantas para te ajudar na criação do mundo. O diferencial de Shape of the World é que, durante sua jornada, você poderá jogar sementes pelo cenário, não só para fazer nascer novas árvores, mas também para mudar as cores. É aí que temos uma pequena noção do nosso papel no jogo, seríamos um “decorador de mundos”?

Há outras coisas para fazer no jogo, devido aos puzzles espalhados pelo mapa. Você se depara com algumas pedras redondas e outras que parecem uns pilares, estalactites e rochas que lembram o monumento Stonehenge. Estes elementos permitem construir pontes, encher uma caverna de água para alcançar um ponto específico ou pegar impulso para um pulo mais alto, seguindo em frente e resolvendo os enigmas que revelam mais sobre o mundo.

Shape of the World pode ser finalizado com duas ou três horas de jogo, mesmo que o jogador explore bem o ambiente. Ao final de cada jornada, você volta ao início e poderá continuar sua caçada às sementes do jogo para completar a coleção. Sobre o enredo, cabe a sua interpretação – alguns podem chegar a uma conclusão magnífica ou apenas apreciar a beleza dos cenários, enquanto para outros, pode surgir aquele sentimento de “tá, mas e aí?”

Shape of the World é um jogo que, infelizmente, poderá passar despercebido por alguns jogadores, mas garanto que quem der uma chance ao game, vai sair relaxado, tranquilo e deslumbrado ao se deparar com imagens tão bonitas.

O jogo foi analisado no PC, em cópia cedida pela Hollow Tree Games.

Publicidade