Street Fighter 5 V

Street Fighter V

por Durval Ramos

Sempre em busca do mais forte

Street Fighter V não é somente uma sequência da famosa série de luta, é o início de uma nova fase para a Capcom. Com ele, a produtora precisa lidar com os desafios de reinventar suas mecânicas para conquistar novos jogadores ao mesmo tempo em que se preocupa em manter todas as conquistas e avanços obtidos dentro da cena competitiva, principalmente após o sucesso de Street Fighter IV.

E fazer isso não é tarefa fácil, ainda mais pelo contexto bem diferente daquele que tínhamos em 2008, quando SF IV chegou aos consoles pela primeira vez. Oito anos depois, a comunidade online está bem mais estabelecida e os streamings ao vivo permitiram que o público acompanhasse o cenário das disputas com afinco. E isso forçou a Capcom a repensar qual seria o foco de seu novo game.

Por isso, ela decidiu agir em duas frentes. Primeiro, se concentrou muito mais na própria comunidade, criando todo um ecossistema no qual os jogadores podem interagir muito mais entre si, acompanhando outros lutadores e evoluindo de maneira orgânica. Aliado a isso, trouxe novidades à jogabilidade que tornaram Street Fighter V muito mais simples e acessível, mas sem dispensar a técnica e o preciosismo de sempre.

V de novidade

Desde os primeiros anúncios e ao longo dos Betas, uma coisa chamou a atenção em Street Fighter V: a forma de mudar jogou. Ainda estamos falando da mesma franquia e algumas coisas permanecem imutáveis, mas quem se acostumou com algumas das técnicas de Street Fighter IV vai se surpreender ao ver as diferenças por aqui. Toda a técnica e as pequenas minúcias que tínhamos no game passado dão lugar a um sistema bem mais abrangente e que permite que até mesmo quem não é tão familiarizado com o mundo das lutas possa se dar bem.

Street Fighter V

A jogabilidade simplificada é um convite para novos jogadores ao mesmo tempo em que esconde detalhes e mecânicas para conquistar o veteranos.

Essa jogabilidade simplificada é um dos principais destaque do jogo, pois altera bastante sua dinâmica. Ficou mais fácil encaixar os golpes e isso faz com que os combos venham naturalmente. Outro ponto que ajuda nisso é que muitos comandos foram ajustados para se tornarem mais amigáveis a qualquer jogador. Ainda temos muitos personagens baseados charge, mas vários golpes tiveram sua execução modificada, indo para o bom e velho meia-lua, por exemplo. Além disso, os Critical Arts — os Ultras da nova geração — também ficaram bem mais fáceis de serem realizados. De certo modo, tudo está mais próximo de SF III.

E é aí que está o grande segredo de Street Fighter V. É verdade que ele abriu as portas para que qualquer pessoa consiga ter uma belo desempenho nas lutas, mas essa simplificação também pode ser uma grande armadilha. Qualquer deslize pode abrir uma brecha enorme para um contra-ataque brutal.

Street Fighter 5

Isso que vai separar aquele jogador mais casual de quem realmente procura se aprofundar nas mecânicas e entrar no mundo competitivo do game. O sistema de combate possui diversas camadas e é preciso dominá-las para entender de verdade o potencial de cada personagem.

Todo o chamado V-System é o maior exemplo disso. Cada lutador conta com uma série particularidades que, para um novato, podem passar completamente despercebidas, mas podem fazer toda a diferença em uma batalha. A V-Skill, por exemplo, é um movimento característico que pode desde anular um golpe como ser um ataque diferenciado. Já o V-Trigger traz algo bem mais poderoso, podendo até mesmo virar o jogo em questão de segundo se bem utilizado. Tudo vai depender do quanto você conhece o jogo e de saber aproveitar as oportunidades.

Street Fighter 5: trailer apresenta Charlie Nash e anuncia versão Beta

Dominar o V-System significa se aprofundar nas mecânicas e entender as particularidades de cada personagem. É o que pode virar o jogo em questão de segundos.

Outra novidade que chega para mexer na parte competitiva é o V-Reversal, que funciona quase como uma quebra de combo que temos em outros jogos de luta. Como Street Fighter V conta com um sistema em que é muito mais fácil emendar golpes, ele traz uma maneira de reverter isso como forma de compensação. Assim, em vez de se manter encurralado em um canto, você pode fazer com que essa ofensiva inimiga se transforme na brecha para um contra-ataque rápido e potente.

Todo esse V-System mostra bem como as coisas mudaram por aqui. Street Fighter V não é somente uma sequência, mas é algo completamente novo. Ao mesmo tempo em que ele abre as portas para que novos jogadores conheçam esse universo, ele desafia os velhos veteranos a se readaptarem a tudo isso. A busca pelo melhor envolve também reinvenção constante.

Um mundo de rivais

Como dito, o online é parte central do que a Capcom imaginou para Street Fighter. Tanto que ela criou todo um ecossistema para que os jogadores aproveitassem essa conectividade para fazer a comunidade evoluir. E a Capcom Fighters Network (CFN) faz o papel de reunir todos esses jogadores e colocar como se fosse em uma enorme arena em que todo mundo está em busca de um novo oponente.

Street Fighter V

É basicamente uma evolução daquilo que já tínhamos em SF IV. Se, antes, essa organização ficava em segundo plano e com pouco destaque, agora ela é o centro das atenções do jogo. A classificação nos rankings, a definição de rivais e o gerenciamento de replays passa a ser realçado e incentivado para que os jogadores estejam sempre se aprimorando. Mais do que isso, ele permite que você defina como rival jogadores especializados em um ou outro personagem ou com uma determinada pontuação — e isso é ótimo para quem está realmente procurando novos desafios e maneiras de se especializar.

Street Fighter V abraça a comunidade e criar um ecossistema próprio para incentivar as partidas online e fazer com que os jogadores evoluam constantemente.

Mas de nada adiantava fazer tudo isso sem otimizar o seu ambiente online. E, nesse quesito, Street Fighter V se sai muito bem. Tanto o sistema de matchmaking como todo o netcode são muito bons, fazendo com que lags, travamentos e quaisquer outros problemas de conexão praticamente inexistam. Como você quase sempre enfrenta alguém da sua região, a latência entre os jogadores é mínima e o confronto acontece sem interferências. E o mesmo acontece em batalhas internacionais. Perto do que tínhamos em Street Fighter IV, é uma grande evolução.

Ken Street Fighter V

Além disso, o novo Street Fighter conta ainda com um sistema cross-platform, que permite que jogadores de PC e PS4 se enfrentem nativamente. E, mais uma vez, essa conexão não traz perdas para nenhum dos lados. É o que qualquer jogador sempre quis em qualquer modo multiplayer.

Só é uma pena que, neste primeiro momento, parte do modo online ainda esteja bem limitado. O Saguão de Batalha comporta somente dois jogadores e não há um modo espectador, recursos que só chegarão em março segundo a promessa de evolução constante da Capcom. Além disso, ao menos durante os testes na semana que antecederam o lançamento, a instabilidades nos servidores da CFN fez com que o nosso progresso fosse resetado diversas vezes, zerando inclusive nosso Fight Money — algo que a produtora disse ser algo provisório e que será corrigido quando o game chegar às lojas. De qualquer forma, é preocupante ver como problemas assim podem comprometer o progresso dos jogadores, ainda mais com a promessa de que os DLCs podem ser adquiridos com esses pontos.

Street Fighter V

Outro problema em relação à Capcom Fighter Network é a burocratização de coisas que eram simples. Não é mais possível procurar na sua lista de contatos por pessoas que estejam jogando, já que tudo gira em torno das Fighter ID. Assim, é preciso procurá-las na CFN, adicioná-las como rivais para, somente assim, convidá-los para uma luta. Tudo bem que você só precisa fazer isso uma única vez (a não ser que o jogo resete seu perfil), mas é o tipo de complicação desnecessária.

Um Beta estendido

E chegamos àquele que é o maior problema de Street Fighter V: a sensação de que ele ainda é jogo incompleto. A Capcom já havia dito que a ideia era trazer atualizações constantes para fazer o game crescer e evoluir por um bom tempo, mas isso não justifica fazer com que recursos básicos fiquem de fora do lançamento, chegando somente um mês depois.

Street Fighter 5

Street Fighter V é um excelente jogo, mas ainda um produto incompleto. A evolução constante é uma novidade bem-vinda, mas não justifica a falta e as limitações de alguns modos.

Além dos já citados Saguão de Batalha e modo espectador, o jogo chega sem a loja e os desafios, o que certamente vai frustrar muita gente — principalmente aqueles que querem aprender combos e maneiras de aproveitar as habilidades dos novos personagens. De novo: a ideia é trazer esses conteúdos em março. Então, por que não segurar o lançamento por algumas semanas para trazer o jogo completo ao invés de oferecer algo pela metade? Do jeito que está, a impressão que fica é que estamos diante de mais uma fase do Beta apenas.

E isso não afeta somente quem quer treinar ou se aprofundar no online. O próprio Modo História de Street Fighter V parece ter sido feito às pressas apenas para constar, se resumindo a apenas duas ou três lutas por personagem de um único round contra o CPU. Na verdade, isso parece ser apenas algo feito para ocupar o espaço deixado pela verdadeira campanha, que será lançada via DLC em junho. Assim, o que temos aqui é apenas um prólogo de tudo e um mero passatempo para você aprender a jogar com os novos lutadores.

Street Fighter V 5

O mais perto do antigo Arcade é o Modo Sobrevivência. Assim como em outros survivals, o desafio é terminar a sequência de lutas enquanto mantém o dano dos confrontos anteriores. É divertido e desafiador, mas não ocupa a lacuna deixado pela velha opção.

Um passo de cada vez

Com Street Fighter V, a Capcom se baseia em dois pilares importantíssimos para definir o futuro e a longevidade do game. Simplificar as coisas para atrair jogadores e fortalecer a comunidade são pontos importantíssimos para qualquer jogo e que, neste caso, têm tudo para serem fundamentais em uma história de sucesso. A nova página na história da produtora já começa a ser escrita com grandes vitórias.

streetfighter0610151280jpg-9beb2d

É claro que isso não a isenta de lançar algo pela metade. Street Fighter V é um excelente game, mas ainda é um produto incompleto — e é isso que está sendo levado em conta nesta análise. A promessa de atualizá-lo e fazê-lo crescer é mais do que bem-vinda, mas não justifica atrasar modos e conteúdos importantes em algumas semanas sem um porquê claro. E isso tira muito do brilho que o jogo poderia ter já em sua estreia.

Ainda assim, ele continua imperdível e com grandes promessas de se tornar ainda melhor. Familiar ao mesmo tempo em que tudo é diferente, ele se aproveita muito bem do crescente interesse dos jogadores pelo cenário do fighting game para convidá-los a entrar nesse mundo competitivo. E, depois do primeiro Hadouken, fica difícil largar o controle.

Street Fighter V foi analisado no PlayStation 4, em cópia cedida pela Capcom.

Publicidade

  • Ulisses Lopes da Silva

    Sobre o “BETA extendido” já era esperado e o foco primordial era o versus online e o practice, daí deram o story mode básico pro povo ir se aclimatando.